E depois do adeus ao futebol? Mind The Gap, o projecto que quer preencher o vazio de quem se retira dos relvados

E depois do adeus ao futebol? Mind The Gap, o projecto que quer preencher o vazio de quem se retira dos relvados

A carreira de futebolista é intensa mas curta e, quando termina, nem todos sabem como preencher o tempo que antes era ocupado por treinos e jogos. Desde a habituação a uma nova vida sem salários chorudos, às dúvidas e perda de confiança resultantes de um processo de transição para uma nova etapa em que é necessário aprender a organizar a sua própria vida – antes tinham quem fizesse isso por eles – e a criar as suas próprias rotinas, são muitos os desafios de um antigo profissional de futebol após a despedida dos relvados.

O Mind The Gap surge para ajudar os futebolistas nesse processo. O projecto nasce pelas mãos da FIFPro, cofinanciado pelo Programa da União Europeia Erasmus+, que tem trabalhado com 14 parceiros diferentes para apoiar os futebolistas e ajudá-los a planearem a sua vida depois de terminarem a carreira.

E esta necessidade é uma realidade, visto que os jogadores passam de uma posição privilegiada, para uma em que nem sempre são olhados como primeira escolha pelo mercado de trabalho: é preciso lembrar que a maior parte dos jogadores têm qualificações reduzidas e pouca ou nenhuma experiência de trabalho quando  comparados com a maioria que compete com eles.

Segundo os dados apresentados no FIFPro Global Employment Report “apenas 13% dos atletas profissionais masculinos na Europa frequentam o ensino superior ou profissional”, valor claramente baixo quando comparado com os 53% da população europeia masculina em geral.

Já no futebol feminino este não é um problema, talvez porque a grande maioria delas ainda não é profissional: 46% das jogadoras conciliam os estudos com o futebol e 67% têm mesmo outro trabalho.

No futebol masculino, pelo contrário, são muitos os que negligenciam os estudos e focam toda a sua energia em alcançar o topo do futebol mundial. Mas os próprios empregadores fazem pouco para encorajarem os atletas a preparem-se para uma segunda carreira.

Uma das exceções é Giorgio Chiellini. O central da Juventus é um exemplo de como preparar uma segunda vida pós futebol, tendo completado recentemente um mestrado em Business na Universidade de Torino.

O trabalho da Mind the Gap já começa a dar os seus frutos: três antigos futebolistas – Dennis Iliohan (Holandês), Carola soberg (Suécia) e Bogdan Teleaba (Roménia) tiveram na origem da construção do Logo do projecto.

Deixa um Comentário